terça-feira, 6 de março de 2007

Porque ele é a minha única e verdadeira casa

Isto de procurar casa tem sido complicado.
Mas a verdade é que fique eu onde ficar sei bem qual é a minha casa. O meu menino, o T.
Passamos o dia a trocar sms (ainda bem que a TMN tem sms à borla). Como este mês ele está sem carro e não tem que se concentrar na condução, comentou-me à pouco (em conversa no msn) que ia no comboio e apercebeu-se de estar a desbloquear constantemente o telemóvel para ver se tinha sms minha, quando com o telemóvel bloqueado conseguia ver. Conheço bem a sensação e o movimento porque dou por mim a fazer o mesmo inúmeras vezes.
Somos completamente namorados e apaixonados um pelo outro.
Dependentes até um do outro (com o bom e mau que daí advém).
Lembrei-me de lhe perguntar qual foi o momento em que soube que me queria...
Deixem-me contextualizar...
Temos uma amiga comum, amiga dele por causa das fotografias e minha de curso. Em andanças de hi5 viu uma foto minha e quis-me fotografar. Achei logo que era conversa de engate e mandei-o passear, mas ele enviou-me um mail a dizer que a intenção era só fotografar-me e que esperava que eu quisesse o tempo que fosse preciso. Isso para mim estava fora de questão.
Chegou o fim do curso e sem nos conhecermos já conversavamos há meses, com conversas com conteúdo e com a nossa amiga a fazer de intermediária em muitos momentos. Mas nada de especial, só mesmo partilha de opinião sobre coisas da vida.
Chegou o dia do baile de finalistas e ele foi o fotógrafo.
O meu acompanhante foi o meu ex-namorado e desde há quase 3 anos amigo.
A primeira vez que nos vimos fisicamente foi nessa noite em que eu estava vestida como uma princesa.
Disse-me hoje ao perguntar-lhe, que o momento em que soube que me queria foi quando ficou à minha espera no parque de estacionamento, apesar de eu me demorar a ir embora.
O momento em que eu soube que o queria, foi quando a meio do jantar senti que tinha que o tocar e me aproximei de ele e encostei a cabeça na omoplata direita dele (como faço agora muitas vezes) e lhe disse qualquer coisa só por dizer.
É o nosso pequeno conto de fadas.
Nota: desafiei-o a escrever a versão dele e eu a minha.

2 comentários:

mamã gaivota disse...

Ena ena! Tantos posts! Isso é definitivamente sinal de mudança no teu humor! Ainda bem. Quanto ao assunto deste último post (aqui, que ninguém nos ouve, guarda-o bem :)e tudo o resto acabará por vir por acréscimo!).

Viver Um Novo Fim disse...

Tudo bom, mas acho que...
Se foosse eu tomava isso por doses devagarinho...Claro o amor é maravilhoso e então nos dois sentidos é o "TOP NIVEAU".