quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

Agora vem o meu Natal!

Como já tinha sido publicado num post anterior de descontentamento lá fui eu às 15 horas de dia 24 de Dezembro trabalhar, com a certeza que do hospital só saíria lá para as 9 da manhã de dia 25. Obviamente tinha deixado bem explícito à minha nova família que Natal só seria a partir das 9 da manhã de dia 25 de Dezembro pelo que não queria presentes antecipados...mas não consegui resistir pois antes de arrancar com o carro, deu o meu presente pequenino ao meu menino, nada demais mas algo com muito significado para os dois (claro que não vou dizer o que é!).
Os turnos (tarde e noite) até nem correram muito mal, quer dizer, a tarde até não foi boa. Primeiro por uma questão de stock. Uma família muito zangada, com palavras ofensivas ao coração de um profissional que afinal de contas também é um ser humano. Isto tudo porque a responsável pela reposição de stock não fez o seu trabalho e quem está a trabalhar diariamente e dá a cara pelo serviço é que ouve o que não gosta (muito poucas vezes ouve o que gosta mas compensa sempre). A família tinha toda a razão do mundo...mas qualquer resposta que eu tivesse para dar não servia (nem a eles nem mesmo a mim). É impensável para qualquer pessoa que o maior hospital do país não tenha o que os doentes precisam; coisas básicas como um saco de nefrostomia ou vitais como uma ampola de furosemido. Impensável!
Esta foi só a primeira chatice...tentar explicar a uma família de alguém que está a morrer que não podemos fazer o que queremos fazer (mas sobre isto irei falar um dia destes com mais calma).
Lá fomos fazendo as coisas (rotinas) até que a D. A. no meio de um aerossol teve uma paragem respiratória! Horrível! Odeio situações de stress! Nunca sei que fazer, nunca funciona nada! Toca a correr para o telefone para chamar a urgência interna enquanto a minha colega começa a ventilar a doente e correr para trazer o carro de urgência... Confusão, stress, lixo, fios, agulhas, soro, oxigénio, aspirador...e a D. A. estabiliza e é transferida para a UTIC. Mas pronto como disse a médica de UI nestas alturas acontecem sempre coisas destas. O que interessa é que recuperou bem e daqui a uns dias volta para o internamento. Azar dos azares a doente tinha alta prevista para o dia seguinte...
A noite correu bem...entraram doentes (este mês a moda é a intoxicação com varfine) e tivemos o nosso jantar de natal...sossegado, sem grande algazarra como se fosse em casa mas como o mesmo amor e calor porque afinal de contas ali dentro somos também uma família. Queridas colegas aquelas que no calor das suas casas e famílias se recordaram de nós e ligaram a desejar um Bom Natal. Obrigada lindas, foi comovente!
Passou...até com humor pois alguém (eu!) se lembrou de pôr na cabeça às tantas da manhã uns cornos de rena!!!!! Sorrisos e risos bons!
De volta a casa...ups...a casa dos pais no namorado (se bem que para mim já é a minha casa), o calor de um bom banho para tirar o cheiro do trabalho, uma lareira acesa e o amor e carinho de uma família pronta para me dar um Natal com prendinhas embrulhadas e tudo!
Foi lindo...e chorei porque o menino colou papéis com mensagens em todos os embrulhos... Foi um amor!
Não tive a minha família velha no dia de Natal mas tive a nova, aquela que eu escolhi, e hoje, dia 27 estou em minha casa, cheia de frio é bem verdade porque no meu verde minho a vida é mesmo assim e até sei escrever no portátil com luvas, mas estou de volta a casa pronta para ter outro Natal.